domingo, 19 de maio de 2013

50 Tons de cinza (Capítulo 17)


A chama da vela é demasiada quente. Ela treme e dança sobre a brisa morna, uma brisa que não traz nenhum alivio para o calor. Suave como asas de gaze elas batem de um lado para outro na escuridão, polvilhando escalas empoeiradas no círculo de luz. Eu estou lutando para resistir, mas estou atraída. E então é tão brilhante, eu estou voando muito perto do sol, deslumbrada pela luz, frita e derretendo do calor, cansada de  meus empenhos para ficar no ar. Eu estou tão quente. O calor… é sufocante, insuportável. Ele me acorda.
Eu abro meus olhos e eu estou envolta em Christian Grey. Ele está embrulhado ao meu redor como uma bandeira da vitória. Ele está profundamente adormecido com sua cabeça em meu peito, seu braço sobre mim, segurando-me perto, uma de suas pernas está jogada e enganchada em torno das minhas. Ele está me sufocando com o calor de seu corpo, ele é pesado. Eu tomo um momento para absorver que ele está ainda em minha cama e dormindo, já tem luz lá fora, é de manhã. Ele passou a noite inteira comigo.
Meu braço direito está estendido, sem dúvida em busca de um lugar fresco, e como eu processo o fato que ele está ainda comigo, o pensamento ocorre que eu posso tocá-lo. Ele está adormecido. Timidamente, eu levanto a minha mão e corro as pontas de meus dedos sobre as suas costas. Profundo, em sua garganta, eu ouço um gemido fraco, angustiado e ele se mexe. Ele aninha em meu tórax, inalando profundamente enquanto ele desperta. Sonolento, piscando, os seus olhos cinza se encontram com os meus de baixo de seus cabelos despenteados.
— Bom dia, — ele murmura e franze a testa. — Jesus, até em meu sono eu estou atraído por você. — Ele se move devagar, descolou seus membros de mim enquanto ele se ajeita. Eu me tornei ciente de sua ereção contra meu quadril. Ele nota a minha reação em meus olhos, ele sorri um sorriso sensual e lento.
— Hmm… isso tem possibilidades, mas eu penso que nós deveremos esperar até domingo. — Ele se inclina e fuça minha orelha com seu nariz.
Eu ruborizo, entretanto eu sinto sete tons de escarlate do seu calor.
— Você é muito quente, — eu murmuro.
— Você não é tão ruim, — ele murmura e se aperta contra mim, sugestivamente.
Eu corei um pouco mais. Não foi isso que eu quis dizer.  Ele se escora em cima em seu cotovelo e olha para mim, divertido. Ele inclina-se, e para minha surpresa, planta um beijo gentil em meus lábios.
— Dormiu bem? — Ele pergunta.
Eu concordo com a cabeça, olhando fixamente para ele, e eu percebo que eu dormi muito bem, exceto talvez pela última meia hora, quando eu estava com muito calor.
— Eu também. — Ele franze a testa. — Sim, muito bem. — Ele levanta suas sobrancelhas surpreso e confuso.
— Que horas são? 
Eu olho para o meu relógio.
— É 7:30. 
— 7:30… merda. — Ele saiu da cama e pegou a sua calça jeans.
Foi minha vez de olhar divertida, enquanto me sento. Christian Grey está atrasado e agitado. Isso é algo que eu nunca vi antes. Eu tardiamente percebo que meu traseiro não está mais dolorido.
— Você é uma péssima influência para mim. Eu tenho uma reunião. Eu tenho que ir, tenho que estar em Portland às oito. Você está sorrindo para mim?  
— Sim. 
Ele sorri.
— Eu estou atrasado. Eu não costumo me atrasar. Outra primeira vez, Senhorita Steele. — Ele puxa em seu casaco e em seguida se abaixa e agarra minha cabeça, com uma mão de cada lado.
— Domingo, — ele disse, e a palavra estava carregada com uma promessa não dita.
Minhas entranhas se contraem e então se descontraem em uma antecipação deliciosa. A sensação é esquisita. Que inferno, se minha cabeça estivesse à altura do meu corpo. Ele inclina-se e beija-me rapidamente. Ele pega as suas coisas na minha mesa de cabeceira e os sapatos, que ele não coloca.
— Taylor virá avaliar o seu Fusca. Eu estava falando sério. Não o dirija. Vejo você em minha casa no domingo. Vou enviar um e-mail para você mais tarde. — E como um vendaval, ele se foi.
Oh meu Deus, Christian Grey passou a noite comigo, e eu me sinto descansada. E não houve sexo, só carinho. Ele me disse que ele nunca dormiu com ninguém, mas ele é dormiu comigo três vezes.
Sorri e lentamente sai da minha cama. Eu me sinto mais otimista do que eu tenho pelo último dia ou assim. Dirijo-me à cozinha, precisando de uma xícara de chá.
Depois do café da manhã, tomo banho e me visto rapidamente para meu último dia em Clayton. É o fim de uma era, adeus para o Sr. & Sra. Clayton, WSU, Vancouver, o apartamento, meu Fusca. Olho para o relógio, é só 7:52. Eu tenho tempo.




De: Anastásia Steele
Assunto: Ataque e Espancamento: Os efeitos posteriores
Data: 27 de maio 2011 08:05
Para: Christian Grey

Querido Sr. Grey

Você queria saber por que eu me senti confusa depois que você, que eufemismo devemos aplicar, espancada, castigada, batida, atacada. Bem, durante todo o processo alarmante eu me senti humilhada, aviltada e abusada. E para minha grande mortificação, você está certo, eu estava excitada, o que foi inesperado. Como você bem sabe, todas as coisas sexuais são novas para mim, eu gostaria de ser mais experiente e, portanto, mais preparada. Fiquei chocada ao me sentir excitada.
O que realmente me preocupou foi como me senti depois. E isso é mais difícil de articular.
Fiquei feliz por que você estava feliz. Senti-me aliviada por não ser tão doloroso quanto eu pensei que seria. E quando eu estava deitada em seus braços, me senti saciada. Mas me sinto muito desconfortável, até culpada, me sentindo dessa forma. Não combina bem comigo, eu estou confusa como resultado. Isso responde a sua pergunta?
Espero que o mundo de Fusões e Aquisições seja tão estimulante como sempre… e que você não tenha se atrasado muito.
Obrigado por ficar comigo.

Ana

 

      
De: Christian Grey
Assunto: Livre Sua Mente
Data: 27 de maio 2011 08:24
Para: Anastásia Steele

Interessante… ligeiramente exagerada no titulo, Senhorita Steele.
Para responder aos seus pontos:
• Eu vou continuar com as palmadas, assim como está.
• Então você se sentiu humilhada, vil, abusada e agredida, você é muito Tess Durbeyfield. Creio que foi você quem decidiu pela degradação se bem me lembro. Você realmente sente assim ou você pensa que você deveria se sentir assim?
São duas coisas muito diferentes. Se é assim que você se sente, você acha que poderia tentar e abraçar estes sentimentos , lidar com eles, por mim? Isso é o que uma submissa faria.
• Eu sou grato por sua inexperiência. Eu valorizo isso, e eu estou só começando a entender o que significa. Simplificando… isso significa que você é minha em todos os sentidos.
• Sim, você ficou excitada, que por sua vez é muito excitante, não há nada de errado com isto.
• Feliz nem sequer começa a definir o que senti. Alegria estática chega perto.
• Surra de punição dói muito mais que surra sensual. De modo que, é quase tão difícil para quem dá quanto para quem recebe. A menos que, naturalmente, você cometa alguma transgressão grave, caso em que usarei alguns implementos para castigar você. Minha mão estava muito dolorida. Mas eu gosto disso.
• Eu me senti muito saciado, muito mais do que você poderia saber.
• Não desperdice sua energia em culpa, sentimentos de injustiça, etc. Nós somos adultos responsáveis e o que nós fazemos atrás de portas fechadas está entre nós mesmos. Você precisa liberar a sua mente e escutar o seu corpo.
• O mundo de M&A não é quase tão estimulante quanto você é Senhorita Steele.

Christian Grey
CEO, Grey Participações e Empreendimentos Inc.

 


Caramba… minha em todos os sentidos.  Minha respiração disparou.

 


De: Anastásia Steele
Assunto: Consentindo Adultos!
Data: 27 de maio 2011 08:26
Para: Christian Grey

Você não está em uma reunião?
Eu estou muito contente por sua mão estar dolorida.
E se eu escutasse o meu corpo, eu estaria no Alasca agora.

Ana
PS: Eu pensarei sobre abraçar estes sentimentos.

 



De: Christian Grey
Assunto: Você não chamou a policia
Data: 27 de maio 2011 08:35
       Para: Anastásia Steele

Senhorita Steele
       Eu estou em uma reunião discutindo mercados futuros, se você estiver realmente interessada.
Para o registro: você permaneceu ao meu lado sabendo o que eu iria fazer.
Você não fez, em qualquer momento me pediu para parar, você não usou qualquer uma das palavras seguras.
Você é uma adulta e você tem escolhas.
Francamente, eu estou ansioso pela próxima vez que minha mão esteja a tocando com dor.
Você, obviamente não está escutando a parte certa de seu corpo.
O Alasca é muito frio e sem nenhum lugar para correr. Eu acharia você.
Eu posso controlar o seu telefone celular, lembrar?
Vá trabalhar.

       Christian Grey
       CEO, Grey Participações e Empreendimentos Inc.

 


Eu franzi a testa para a tela. Ele está certo, claro. É minha escolha. Hmm.  Ele está falando sério sobre me achar, eu devia decidir fugir durante algum tempo? Minha mente voou brevemente para a oferta da minha mãe. Eu bato resposta.

 



  De: Anastásia Steele
Assunto: Espreitador
Data: 27 de maio 2011 08:36
Para: Christian Grey

Você buscou terapia para suas propensões de assediador?

Ana
        
 

De: Christian Grey
Assunto: Espreitador? Eu?
Data: 27 de maio 2011 08:38
Para: Anastásia Steele

Eu pago ao eminente Dr. Flynn uma pequena fortuna para que ele se ocupe de minhas tendência de assédio e de outras propensões.
Vá trabalhar.

Christian Grey
CEO, Grey Participações e Empreendimentos Inc.

 


De: Anastásia Steele
Assunto: Charlatões caros
Data: 27 de maio 2011 08:40
Para: Christian Grey

Eu posso humildemente sugerir que você busque uma segunda opinião?
Eu não estou certa que esse Dr. Flynn é muito efetivo.

Senhorita Steele

 

De: Christian Grey
Assunto: Segundas Opiniões
Data: 27 de maio 2011 08:43
Para: Anastásia Steele

Não é da sua conta, humilde ou não, mas Dr. Flynn é a segunda opinião.
Você terá que acelerar em seu novo carro, pondo você mesma em risco desnecessário, penso que isto é contra as regras.
VÁ TRABALHAR.

Christian Grey
CEO, Grey Participações e Empreendimentos Inc.

 





De: Anastásia Steele
Assunto: ALTOS CAPITAIS  
 Data: 27 de maio 2011 08:47
Para: Christian Grey

Como o objeto de suas propensões é espreitar, eu penso que é da minha conta realmente.
Eu não assinei ainda. Então não há limites de regras. E eu não começo até as 9:30.
Senhorita Steele

      

De: Christian Grey
Assunto: Linguística descritiva
Data: 27 de maio 2011 08:49
Para: Anastásia Steele

Sem limites? Não sei onde isso aparece no Dicionário Webster.

Christian Grey
CEO, Grey Participações e Empreendimentos Inc.
      

 


  De: Anastásia Steele
Assunto: Linguística descritiva
Data: 27 de maio 2011 08:52
Para: Christian Grey

Está entre excesso de controle e perseguidor.
E linguística descritiva é um limite duro para mim.
Você vai parar de me aborrecer agora?
Eu gostaria de ir trabalhar em meu novo carro.

Ana

 






De: Christian Grey
Assunto: Jovem desafiadora, mas divertida
Data: 27 de maio 2011 08:56
Para: Anastásia Steele
A palma da minha mão está coçando.
Dirija com segurança, Senhorita Steele.

Christian Grey
CEO, Grey Participações e Empreendimentos Inc.

 



O Audi é uma alegria para dirigir. Tem direção hidráulica. Wanda, meu Fusca, não tem nenhum poder, de qualquer jeito, então meu treino diário, dirigindo meu Fusca, cessará. Oh, mas eu terei um instrutor de educação física particular para enfrentar, de acordo com as regras de Christian. Eu franzo a testa. Odeio me exercitar.
Enquanto eu estou dirigindo, eu tento analisar a nossa troca de e-mails. Ele é um paternalista filho da puta, às vezes. E então eu penso sobre Grace e eu me sinto culpada. Mas, claro, ela não era sua mãe biológica. Hmm isso é um mundo inteiro de dor desconhecida. Bem, paternalista filho da puta funciona bem, então. Sim. Eu sou uma adulta, obrigado por me lembrar, Christian Grey é a minha escolha. O problema é, eu só quero Christian, não toda sua… bagagem. E agora ele tem uma bagagem para encher um 747[1]. Eu não poderia simplesmente deitar-me e abraçá-lo? Como uma submissa? Eu disse que ia tentar. Isso é uma enorme pergunta.
Eu puxo o carro para o estacionamento de Clayton. Enquanto faço meu caminho, eu mal posso acreditar que é meu último dia. Felizmente, a loja está ocupada e o tempo passa depressa. Na hora do almoço, o Sr. Clayton me convoca parar ir ao almoxarifado. Ele está em pé ao lado de um motoboy.
— Senhorita Steele? — O motoboy pergunta. Eu franzo a testa interrogativamente para o Sr. Clayton, que encolhe os ombros, tão perplexo quanto eu. Meu coração afunda. O que Christian me enviou agora? Eu assino o pacote pequeno e abro imediatamente. É um BlackBerry. Meu coração afunda ainda mais. Eu o deixo ligado.




 

De: Christian Grey
Assunto: BlackBerry SOB EMPRÉSTIMO
Data: 27 de maio 2011 11:15
Para: Anastásia Steele

Eu preciso ser capaz de contatar você em todos os momentos, e uma vez que esta é sua forma mais honesta de comunicação, eu percebi que você precisava de um  BlackBerry.

Christian Grey
CEO, Grey Participações e Empreendimentos Inc.
 


       De: Anastásia Steele
       Assunto: O consumismo Enlouquecido
       Data: 27 de maio 2011 13:22
       Para: Christian Grey

Eu penso que você precisa chamar o Dr. Flynn agora mesmo.
Suas tendências de perseguidor estão numa correria louca.
Eu estou no trabalho. Vou enviar um e-mail para você quando eu chegar em casa.
Obrigado por mais este dispositivo.
Eu não estava errada quando disse que você era um total consumista.
Por que você faz isto?

Ana
 


De: Christian Grey
Assunto: Sagacidade de uma jovem
Data: 27 de maio 2011 13:24
Para: Anastásia Steele

Direto no ponto, como sempre, Senhorita Steele.
Dr. Flynn está de férias.
E eu faço isto porque posso.

Christian Grey
CEO, Grey Participações e Empreendimentos Inc.
 


Eu coloquei a coisa em meu bolso de trás, já o odiando. Trocar e-mail com Christian é viciante, mas eu devo trabalhar. Ele vibra uma vez contra o meu traseiro… que hábil, eu ironicamente penso, mas convocando toda a minha força de vontade, eu o ignoro.
As quatro, o Sr. e Sra. Clayton reúnem todos os outros empregados na loja, e durante um discurso embaraçoso de enrolar o cabelo, presenteia-me com um cheque de trezentos dólares.
Naquele momento, vêm em minha mente os acontecimentos das três últimas semanas de exames, graduação, intensas fodidas com um bilionário, defloração, limites duros e suaves, salas de jogos sem consoles, passeios de helicóptero e o fato que eu me mudarei amanhã. Incrivelmente, eu me seguro. Meu subconsciente está com temor. Eu abraço os Claytons bem apertado. Eles foram gentis e generosos como empregadores, eu vou sentir falta deles.
Kate está saindo de seu carro quando eu chego em casa.
— O que é isto? — Ela diz acusadoramente, apontando para o Audi. Eu não posso resistir.
— É um carro, — eu satirizo. Ela estreita os olhos, e por um breve momento, eu me pergunto se ela vai me pôr através de seus joelhos também. — Meu presente de formatura. — Eu tento agir com indiferença. Sim, eu recebo carros caros, dados para mim todos os dias.  Ela fica de boca aberta.
— Generoso, o bastardo acima de tudo, não é? 
Concordo com a cabeça.
— Eu tentei não aceitá-lo, mas francamente, não vale apena a briga.
Kate aperta os lábios.
— Não admira que você esteja tão sobrecarregada. Eu notei que ele ficou. 
— Sim. — Eu sorrio melancolicamente.
— Vamos terminar de empacotar? 
Concordo com a cabeça e sigo-a para dentro. Eu verifico o e-mail de Christian.













 


De: Christian Grey
Assunto: Domingo
Data: 27 de maio 2011 13:40
Para: Anastásia Steele

Devo vê-la à 1 da tarde de domingo?
O médico estará em Escala para vê-la às 1:30.
Eu estou partindo para Seattle agora.
Espero que sua mudança seja ok, eu estou ansioso por domingo.

Christian Grey
CEO, Grey Participações e Empreendimentos Inc.

 

Droga, ele poderia estar discutindo o tempo. Eu decido enviar um e-mail assim que nós terminarmos a embalagem, ele pode ser um minuto tão divertido, e então ele pode ser tão formal e sufocante. É difícil de continuar. Honestamente, é como um e-mail para um empregado. Eu desvio meu olhar desafiadoramente e me junto a Kate para embalar.
Kate e eu estamos na cozinha quando ouvimos uma batida na porta. Taylor está na varanda, me olhando em seu terno impecável. Eu noto o rastro de ex-soldado em seu corte de cabelo curto, físico elegante, e seu olhar frio.
— Senhorita Steele, — ele diz. — Eu vim por seu carro. 
— Oh sim, claro. Entre, eu vou pegar as chaves.
Seguramente isto está acima e além da chamada do dever. Eu pergunto-me novamente a descrição do trabalho de Taylor. Eu lhe entrego as chaves, e nós andamos em um silêncio desconfortável para mim, em direção ao meu Fusca azul claro. Abro a porta e removo a lanterna do porta-luvas. É isto aí.
Não tem mais nada de pessoal em Wanda. Adeus, Wanda. Obrigada.  Eu acaricio seu teto enquanto fecho a porta do passageiro.
— Há quanto tempo você trabalha para o Sr. Grey? — Eu pergunto.
— Quatro anos, Senhorita Steele. 
De repente, eu tenho um desejo irresistível de bombardeá-lo com perguntas. O que este homem deve saber sobre Christian, todos os seus segredos. Entretanto, ele provavelmente assinou um contrato de confidencialidade.
Eu olho nervosamente para ele. Ele tem a mesma expressão taciturna de Ray, e amorno com ele.
— Ele é um bom homem, Senhorita Steele, — ele diz, e ele sorri ligeiramente. Com isto, ele me dá um aceno de cabeça, sobe em meu carro e vai embora. 
Apartamento, Fusca, Claytons, é tudo mudança agora. Eu agito minha cabeça enquanto eu vago de volta para dentro. E a maior mudança de todas é Christian Grey. Taylor pensa que ele é um bom homem. 
Posso acreditar nele?
José junta-se nós com comida chinesa em caixas para viagem, às oito. Nós terminamos. Está tudo empacotado e pronto para mudar. Ele traz várias garrafas da cerveja, Kate e eu nos sentamos no sofá enquanto ele está de pernas cruzadas no chão, entre nós. Nós assistimos porcarias na TV, bebemos cerveja, e quando a noite avança, nós ternamente e em voz alta relembramos, enquanto a cerveja faz seu efeito. Foram quatro anos muito bons.
O clima entre José e eu voltou ao normal, o beijo tentado foi esquecido. Bem, ele foi varrido para debaixo do tapete que minha deusa está deitada em cima, comendo uvas e tocando seus dedos, a espera, não muito pacientemente, do domingo. Ouvimos uma batida na porta e meu coração pula até a minha garganta. Será?
Kate responde a porta e está quase pulando fora de seus pés por Elliot. Ele a segura num abraço de Hollywood, e rapidamente o abraço se transforma num apaixonado beijo no estilo europeu. Honestamente… consigam um quarto.  José e eu olhamos fixamente um para o outro. Estou estarrecida com a falta de modéstia.
— Vamos caminhar até o bar? — Eu peço a José, que acena com a cabeça freneticamente. Nós estamos muito desconfortáveis com o desenrolar de sexo desenfreado diante de nós. Kate olha para mim, corada e com os olhos brilhantes.
— José e eu estamos saindo para uma bebida rápida. — Afasto meus olhos dos dela. Ha! Eu ainda posso afastar a vista quando eu quero.
— Certo, — ela sorri.
—Oi Elliot, adeus Elliot.
Ele pisca um grande olho azul para mim, e José e eu estamos fora da porta, dando uma risadinha, como adolescentes. Enquanto nós passeamos até o bar, eu ponho meu braço no de José. Deus, ele é tão descomplicado.
— Eu realmente não apreciei isto antes.
— Você ainda virá para a abertura de minha amostra, não é? 
— Claro, José, quando é? 
— 9 de junho. 
— Que dia é? — De repente eu entrei em pânico.
— É uma quinta-feira. 
— Sim, eu devo vir… e você nos visitará em Seattle? 
— Tente me parar. — Ele sorri.
É tarde quando eu volto do bar. Kate e Elliot não estão em nenhum lugar para serem vistos, mas menino, eles podem ser ouvidos. Puta merda.  Espero que eu não seja tão barulhenta. Eu sei que Christian não é. Eu ruborizo com o pensamento e fujo para o meu quarto. Depois de um abraço não de todo desajeitado, mas breve, José se foi. Eu não sei quando o verei novamente, provavelmente, na sua apresentação fotográfica, e mais uma vez, estou encantada por ele finalmente ter uma exposição. Vou sentir faltar e de seu charme de menino. Eu não pude contar-lhe sobre o Fusca, eu sei que ele vai pirar quando descobrir, mas só posso lidar com um homem de cada vez pirando a minha volta. Uma vez no meu quarto, eu verifico o computador, e claro, tem um e-mail de Christian.

 

De: Christian Grey
Assunto: Onde você está?
Data: 27 de maio 2011 22:14
Para: Anastásia Steele

‘Eu estou no trabalho. Vou enviar e-mail para você quando eu chegar em casa.’
Você está ainda no trabalho ou você empacotou o seu telefone, BlackBerry e MacBook?
Ligue-me, ou posso ser forçado a ligar para Elliot.

Christian Grey
CEO, Grey Participações e Empreendimentos Inc.

 

Droga… José… merda.
Eu agarro meu telefone. Cinco chamadas perdidas e uma mensagem de voz. Como tentativa, eu escuto a mensagem. É Christian.
‘Eu acho que você precisa aprender a administrar minhas expectativas. Eu não sou um homem paciente. Se você disser que vai entrar em contato comigo quando você terminar de trabalhar, então você deve ter a decência de fazê-lo. Caso contrário, eu me preocupo, e não é uma emoção que eu estou familiarizado, e eu não tolero isto muito bem. Ligue-me.’
Merda dupla. Será que ele vai me dar uma pausa? Eu olho de cara feia para o telefone. Ele está me sufocando. Com um medo profundo enrolando em meu estômago, eu procuro o seu número e aperto para ligar. Meu coração está em minha boca enquanto eu espero por ele responder. Ele provavelmente gostaria de bater sete sombras de demônios de mim.  O pensamento está me deprimindo.
— Oi, — ele diz baixinho, e sua resposta me deixa fora de equilíbrio, porque eu estou esperando sua raiva, mas que qualquer coisa, ele parece aliviado.
— Oi, — eu murmuro.
— Eu estava preocupado com você.
— Eu sei. Eu sinto muito por não responder, mas eu estou bem. 
Ele faz uma pausa.
— Você teve uma noite agradável? — Ele é decisivamente cortês.
— Sim. Nós terminamos de empacotar e Kate e eu compartilhamos comida chinesa com José. — Eu fecho meus olhos firmemente quando digo o nome de José. Christian não diz nada.
— E você? — Pergunto para preencher o abismo ensurdecedor do silêncio repentino. Eu não vou deixar que ele me faça sentir culpada sobre José.
       Eventualmente, ele suspira.
— Eu fui a um jantar para angariar fundos. Foi mortalmente maçante. Saí logo que pude. 
Ele soava tão triste e resignado. Meu coração apertou. Fico imaginando-o em todas aquelas noites sentado atrás do piano em sua enorme sala de estar e a melancolia agridoce insuportável da música que ele estava tocando. 
— Eu gostaria que você estivesse aqui, — eu sussurro, porque eu tenho vontade de segurá-lo. Acalmá-lo.
Embora ele não me permita. Eu quero sua proximidade.
— Gostaria? — Ele murmura suavemente. Maldição.  Isto não soa como ele, e meu couro cabeludo parece ter espinhos brotando, de apreensão.
— Sim, — eu respiro. Depois de uma eternidade, ele suspira.
— Verei você domingo? 
— Sim, domingo, — eu murmuro, e uma onda de excitação atravessa meu corpo.
— Boa noite. 
— Boa noite, Senhor. 
Minha continência o pega desprevenido, e eu ouvir seu suspiro. 
— Boa sorte com sua mudança amanhã, Anastásia. — Sua voz é suave. E nós dois estamos pendurados no telefone como adolescentes, quando nenhum dos dois quer desligar.
— Você desliga, — eu sussurro. Finalmente, eu sinto seu sorriso.
— Não, você desliga. — E eu sei que ele está sorrindo.
— Eu não quero. 
— Nem eu. 
— Você estava muito bravo comigo? 
— Sim. 
— Você ainda está? 
— Não. 
— Então você não vai me castigar? 
— Não. Eu sou um cara de age conforme o momento.        
— Eu notei.
— Você pode desligar agora, Senhorita Steele.
— Você realmente me quer, Senhor? 
— Vá para a cama, Anastásia. 
— Sim, Senhor. 
Nós dois permanecemos na linha.
— Você sempre acha que vai ser capaz de fazer o que diz? — Ele está divertido e irritado ao mesmo tempo.
— Talvez. Vamos ver depois de domingo. — E eu aperto ‘fim' no telefone.


Elliot se levanta e admira sua obra. Ele re-conectou a nossa TV ao sistema de satélite no nosso apartamento da Pike Place Market. Kate e eu caímos no sofá dando uma risada, impressionadas com seu talento com uma furadeira. A tela plana parece estranha contra a convertida obra de alvenaria do armazém, mas sem dúvida eu me acostumarei a isto.
— Veja querida, fácil. — Ele sorriu um sorriso largo de dentes brancos, para Kate, e ela quase literalmente se dissolve no sofá.
Reviro meus olhos para o casal.
— Eu adoraria ficar, querida, mas minha irmã volta de Paris. É um jantar compulsório de família esta noite. 
— Você pode vir depois? — Kate pede timidamente, toda suave e nem parecendo Kate.
Eu estou caminhando até a área da cozinha com a pretensão de desempacotar uma das caixas. Eles estão ficando muito pegajosos.
— Vou ver se consigo escapar, — ele promete.
— Eu descerei com você. — Kate sorri.
— Adeus, Ana. — Elliot sorri.
— Adeus, Elliot. Diga oi para Christian por mim. 
— Só oi? — Suas sobrancelhas levantam sugestivamente.
— Sim. — Eu ruborizo. Ele pisca para mim, e eu fico carmesim enquanto ele segue Kate para fora do apartamento. Elliot é adorável, tão diferente de Christian. Ele é caloroso, aberto, físico, muito físico, muito físico, com Kate. Eles mal conseguem manter suas mãos longe um do outro, para ser honesta, é embaraçoso e eu estou  verde ervilha de inveja.
Kate retornou mais ou menos vinte minutos mais tarde com pizza, nós nos sentamos cercadas por engradados, em nosso novo espaço aberto, comendo diretamente da caixa. O pai de Kate nos fez sentir orgulhosas. O apartamento não é grande, mas grande o suficiente, três quartos e um espaço grande com vista para Pike Place Market. É todo sólido, com piso de madeira e tijolos vermelhos, as bancadas da cozinha são de concreto liso, muito utilitário, muito agora. Nós duas adoramos estar no coração da cidade.
Às oito o interfone zumbe. Kate dá um salto e meu coração pula dentro da minha boca.
— Entrega para Senhorita Steele, Senhorita Kavanagh. — A decepção flui livremente e de forma inesperada por minhas veias. Não é Christian.
— Segundo andar, apartamento dois. 
Kate sacode o entregador. Ele fica de boca aberta quando vê Kate, vestida com jeans apertado, camiseta, cabelo preso com algumas mechas escapando. Ela tem esse efeito sobre os homens. Ele segura uma garrafa de champanhe com um balão preso, ele tem forma de helicóptero. Ela dá a ele um sorriso deslumbrante para mandá-lo para seu caminho e continua a ler em voz alta o cartão para mim.
Senhoras, boa sorte em sua nova casa, Christian Grey.
Kate agita sua cabeça com desaprovação.
— Por que ele só não pode escrever ‘de Christian'? E por que este balão em forma de helicóptero? 
— Charlie Tango. 
— O que? 
— Christian voou comigo para Seattle em seu helicóptero. — Eu encolhi os ombros. 
Kate olha para mim de boca aberta. Eu tenho que dizer que, amo essas ocasiões – Katherine Kavanagh, muda e pavimentada, eles são tão raros. Eu dou um sumário do momento luxuoso para ela apreciar.
— Sim, ele tem um helicóptero, que ele próprio pilotou, — afirmo com orgulho.
— Claro que o bastardo é obscenamente rico e tem um helicóptero. Por que você não me contou? — Kate olha acusadoramente para mim, mas ela está sorrindo, balançando a cabeça em descrença.
— Eu estive de cabeça cheia ultimamente. 
Ela franze a testa.
— Você vai ficar bem enquanto eu estiver fora? 
— Claro. — Eu respondo tranquilizadora. Nova cidade, sem emprego... namorado dando trabalho.
— Você deu a ele nosso endereço?
— Não, mas o assédio é uma de suas especialidades. — Eu medito, na verdade disso.
A testa de Kate franze ainda mais.
— De alguma maneira eu não fico surpreendida. Ele me preocupa, Ana. Pelo menos ele manda um bom champanhe e está gelado. 
Claro, só Christian enviaria champanhe gelado ou mandaria o seu secretário para fazer isto… ou talvez Taylor. Nós abrimos a champanhe, em seguida achamos as nossas xícaras, elas foram os últimos artigos a ser empacotados.
— Bollinger Grande Année Rosé 1999, uma vindima excelente. — Eu sorrio para Kate, nós tocamos as xícaras.
Eu acordo cedo para um domingo de manhã cinza, depois de uma noite de sono surpreendentemente refrescante e ficar acordada olhando para as minhas caixas. Você realmente deve desempacotá-los, acusou meu aborrecido subconsciente, apertando os lábios. Não… hoje é o dia.  A minha deusa está fora de si, pulando de pé para pé. A antecipação trava pesado e solene sobre a minha cabeça como uma nuvem da tempestade tropical escura. Borboletas inundam a minha barriga, bem como uma mais escura, carnal, cativante dor que eu tento imaginar o que ele fará para mim… é claro, eu tenho que assinar aquele maldito contrato ou não? Eu ouço o sinal de correio eletrônico no computador no chão ao lado de minha cama.


 

De: Christian Grey
Assunto: Minha Vida em Números
Data: 29 de maio 2011 08:04
Para: Anastásia Steele

Se você vier dirigindo, vai precisar deste código de acesso para a garagem subterrânea na Escala: 146963
Estacione na vaga 5 – que é minha.
Codifique para o elevador: 1880

Christian Grey
CEO, Grey Participações e Empreendimentos Inc.

 


De: Anastásia Steele
Assunto: Uma Vindima excelente
Data: 29 de maio 2011 08:08
Para: Christian Grey

Sim Senhor. Compreendido.
Obrigado pelo champanhe e o balão Charlie Tango, que está agora amarrado na minha cama.

Ana

 


De: Christian Cinzento
Assunto: Inveja
Data: 29 de maio 2011 08:11
Para: Anastásia Steele

DE nada.
Não se atrase.
Charlie Tango é sortudo.
      
Christian Grey
CEO, Grey Participações e Empreendimentos Inc.
 


Reviro meus olhos com a sua prepotência, mas sua última linha me faz sorrir. Eu dirigir-me ao banheiro, perguntando-me se Elliot conseguiu voltar ontem à noite e me esforçando para conter os meus nervos.
Eu posso dirigir o Audi com sapatos de salto alto! Às 12:55 da tarde precisamente, eu entro na garagem do Escala e estaciono na vaga cinco. Quantas vagas ele possui? O Audi SUV está lá, o R8, e dois Audi SUVs menores… hmm.  Eu verifico meu rímel, raramente usado, na luz de vaidade do espelho. Não tem um desses no Fusca.
Vá menina!  Minha deusa interior tem os seus pom pons na mão, ela está agindo como líder de torcida.
No espelho infinito do elevador, eu verifico meu vestido cor de ameixa, bem, vestido ameixa de Kate.
A última vez que eu o vesti, ele queria tirá-lo de mim. Meu corpo aperta com o pensamento.
Oh meu, o sentimento é apenas requintado, e eu tento recuperar o fôlego. Eu estou vestindo a roupa íntima que Taylor comprou para mim. Eu corei com o pensamento, ele vagando pelos corredores da Agent Provocateur ou onde quer que tenha comprado isto, com seu cabelo de corte militar. As portas se abrem, e eu estou de frente para o hall com o número do apartamento.
Taylor espera nas portas duplas quando eu saio do elevador.
— Boa tarde, Senhorita Steele, — ele diz.
— Oh, por favor me chame de Ana. 
— Ana, — ele sorri.
— O Sr. Grey está esperando por você. 
Aposto que está.
Christian está sentado em seu sofá na sala de estar, lendo os jornais de domingo. Ele olha para cima enquanto Taylor me dirige para a sala de estar. A sala é exatamente como eu me lembro, já se passou uma semana inteira desde que estive aqui, mas parece que foi a mais tempo. Christian parece frio e calmo, na verdade, ele parece divino. Ele está com uma camisa branca de linho e calça jeans, sem sapato ou meias. Seu cabelo está desgrenhado e despenteado, seus olhos cinza brilham maliciosamente para mim. Ele é de cair o queixo de tão bonito. Ele levanta e caminha em minha direção, com um sorriso divertido nos seus belos lábios esculpidos.
Eu estou parada na entrada da sala, paralisada por sua beleza e a doce antecipação do que está por vir. A chama familiar entre nós está lá, provocando devagar na minha barriga, me chamando para ele.
— Hmm… esse vestido, — ele murmura com aprovação, enquanto olha para mim. — Bem-vinda de novo, Senhorita Steele, — ele sussurra, apertando meu queixo, ele se inclina e me dá um beijo gentil nos meus lábios. O toque de seus lábios nos meus reverbera em todo o meu corpo. Minha respiração falha.
— Oi, — eu sussurro enquanto ruborizo.
— Você está na hora certa. Eu gosto que seja pontual. Venha. — Ele toma minha mão e me leva para o sofá. — Eu queria te mostrar uma coisa, — ele diz enquanto nós nos sentamos. Ele me entrega o Seattle Times. Na página oito, há uma fotografia de nós dois juntos na cerimônia de formatura. Caramba.  Eu estou no jornal. Eu verifico a legenda.
Christian Grey e amiga na cerimônia de formatura no em WSU Vancouver.
Eu rio.
— Então eu sou sua ‘amiga ' agora. 
— É o que parece. E se está no jornal, então deve ser verdade. — Ele sorriu.
Sentando ao meu lado, todo o seu corpo está voltado para mim, uma de suas pernas dobrada debaixo da outra. Aproximando-se mais, ele dobra meu cabelo atrás de minha orelha com seu longo dedo indicador. Meu corpo ganha vida com o seu toque, esperando e necessitada.
— Então, Anastásia, você tem uma ideia muito melhor agora do que esta se metendo que a outra vez que vieste aqui. 
— Sim. — Onde ele está querendo ir com isso?
— E ainda assim você voltou. 
Concordo com a cabeça timidamente, seus olhos cinzentos brilham. Ele balança a cabeça ligeiramente como se ele estivesse lutando com a ideia.
— Você já comeu? — Ele pergunta inesperadamente.
Merda. 
— Não. 
— Você está com fome? — Ele está realmente tentando não parecer aborrecido.
— Não de comida, — eu sussurro, e suas narinas incendeiam um pouco em reação.
Ele se inclina e sussurra em meu ouvido.
— Você está tão ansiosa como sempre, Senhorita Steele, e só para contar-lhe um pequeno segredo, eu também. Mas o Dr. Greene é esperado aqui em breve. — Ele senta-se. — Eu gostaria que você comesse, — ele ligeiramente me ralha.
Meu sangue aquecido esfria. Caramba, o médico. Eu tinha esquecido.
— O que você pode-me dizer sobre Dr. Greene? — Eu peço para nos distrair, a ambos.
— Ela é o melhor em Obstetrícia/Ginecologia em Seattle. O que mais eu posso dizer? — Ele encolhe os ombros.
— Eu pensei que eu estaria vendo o seu médico, e não me diga que você é realmente uma mulher, porque eu não acreditarei em você. 
Ele me dá um olhar de ‘deixe de ser ridícula’.
— Eu penso que é mais apropriado que você consulte um especialista. Não é? — Ele diz suavemente.
Eu concordo com a cabeça. Santo Deus, se ela é a melhor Obstetra/Ginecologista, ele está marcado ela para me ver num domingo, na hora do almoço! Eu não posso começar a imaginar quanto isso vai custar. Christian, de repente, franze a testa, como se recordando algo desagradável.
— Anastásia, minha mãe gostaria que você viesse para jantar hoje à noite. Acredito que Elliot está pedindo a Kate também. Eu não sei como você se sente sobre isso. Será estranho para mim apresentá-la para minha família. 
Estranho? Por quê?
— Você tem vergonha de mim? — Eu não posso manter a dor fora da minha voz.
— Claro que não. — Ele revira seus olhos para mim.
— Por que é estranho? 
— Porque eu nunca fiz isto antes.
— Por que você tem permissão para desviar a vista e eu não? 
Ele pisca em mim.
— Eu não sabia que eu estava. 
— Nem eu, normalmente, — eu respondo para ele.
Christian olha para mim, mudo. Taylor aparece na porta.
— Dr. Greene está aqui, Senhor. 
— Mostre a ela o quarto da Senhorita Steele. 
Quarto da senhorita Steele!
— Pronta para um pouco de contracepção? — Ele pergunta enquanto ele levanta e estende sua mão para mim.
— Você não virá comigo? — Eu suspiro, chocada.
Ele ri.
— Eu pagaria um bom dinheiro para assistir, acredite em mim, Anastásia, mas eu não penso que a boa doutor aprovaria. 
Tomo a sua mão, e ele me puxa para os seus braços e beija-me profundamente. Eu enganchei em seus braços, tomada pela surpresa. Sua mão está em meu cabelo segurando minha cabeça, e ele me puxa contra ele, sua testa contra a minha.
— Eu estou tão feliz por você estar aqui, — ele sussurra. — Eu não posso esperar para deixá-la nua. 



[1] O Boeing 747 é um avião wide-body comercial e aviões de transporte de carga

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Postar um comentário